“Valorizar o trabalhador da saúde é cuidar da saúde de todo mundo”, constatam Alexandre Padilha e Chico Vigilante

“Valorizar o trabalhador da saúde é cuidar da saúde de todo mundo”, constatam Alexandre Padilha e Chico Vigilante

Foi um sucesso total a ferramenta intitulada “Sempre Vigilante”, do gabinete do deputado distrital Chico Vigilante (PT), que promoveu ao vivo, na noite da última terça-feira (8), um bate-papo com o ex-ministro da saúde no Governo Dilma Rousseff e atualmente deputado federal pelo Partido dos Trabalhadores Alexandre Padilha (SP).

Os dois parlamentares conversaram sobre a atual situação da pandemia de Coronavírus no Brasil, que já vitimou mais de 650 mil pessoas, e o fundamental papel do Sistema Único de Saúde (SUS) para o país, além de questões como a precarização dos serviços de saúde e a má remuneração destes trabalhadores, dentre outros – no Brasil como um todo e no Distrito Federal.

Veja aqui trechos desse bate-papo:

MÁ REMUNERAÇÃO DOS TRABALHADORES DE SÁUDE

“A má remuneração dos trabalhadores e trabalhadoras da iniciativa privada na saúde é uma questão gravíssima, porque o salário baixo obriga essas pessoas a terem uma carga de trabalho excessiva, a fazerem um plantão atrás do outro e se submeterem a qualquer tipo de contrato, exatamente para chegarem a uma renda mínima. O piso que estamos pedindo é de R$ 4 mil para os enfermeiros. Não é um valor absurdo. Precisamos lutar por isso.” – Alexandre Padilha.

ATUAÇÃO DO SAMU

“O Samu é uma coisa extraordinária, excepcional. Nessa pandemia, fico imaginando o que seria dos brasileiros mais humildes se o governo do PT não tivesse criado esse sistema. Por meio do Samu os pobres passaram a ter direito a um atendimento de saúde digno nas suas casas ao passarem mal – coisa que os ricos já tinham há muito tempo”. – Chico Vigilante

UBERIZAÇÃO NA SAÚDE

“O valor do pagamento desses profissionais da área de Saúde é menor na rede privada, tanto em hospitais filantrópicos como privados ou serviços de diagnóstico. E estamos tendo, infelizmente, uma situação nova que é algo parecido com o que existe hoje na área de transporte, uma “uberização” da saúde. Começa por um tipo de contrato em que o enfermeiro ou técnico de enfermagem põe um nome num aplicativo que se conecta com os hospitais”. – Alexandre Padilha.

TÉCNICOS SEM CONTRATO

“Por conta dessa uberização na Saúde, os hospitais começam a acionar esses profissionais por meio de aplicativo para fazerem plantão. Essas pessoas não têm contrato, vínculo com aquele hospital e vão lá para trabalhar. Alguns hospitais, em função disso, têm mudado a cada dia mudam a equipe. Isso é muito ruim porque a cada dia tem um estranho no atendimento, que precisa perguntar tudo de novo sobre o paciente e a evolução do seu quadro”. – Alexandre Padilha.

VALORIZAÇÃO

Valorizar a situação do trabalhador da saúde não é só cuidar do trabalhador, mas cuidar da saúde de todo mundo, porque a saúde depende do profissional, do recurso humano. Podemos ter a unidade mais equipada do mundo, se um enfermeiro não souber pegar a veia de um paciente, por exemplo, de nada isso vai adiantar”. – Alexandre Padilha.

TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA

Quando trouxemos para o Brasil a vacina contra o HPV, exigimos que o laboratório norte-americano responsável passasse a tecnologia da vacina para o instituto Butantan para que o Brasil passasse a ser produtor da vacina. Então a fábrica que passou a projetar a vacina foi a base tecnológica da fábrica da vacina da Covid-19 agora. A mesma coisa aconteceu com a Fiocruz: a Covid 19 está sendo produzida numa planta de produção que era usada para transferência de tecnologia de um medicamento fabricado em Cuba”. – Alexandre Padilha.

SUS COMO GERADOR DE EMPREGO E RENDA

“Nós, aqui no Brasil, ampliamos o SUS nos governos do PT, compramos muitos produtos. Mas queremos que o SUS vire também uma máquina de produção para gerar emprego para os brasileiros. Queremos fazer essa combinação de fortalecer o SUS por um lado e fortalecer a geração de emprego, tecnologia e valorização dos trabalhadores por outro”. – Alexandre Padilha.

CRIMES DE BOLSONARO

“A CPI da Covid teve um papel decisivo que foi detalhar e definir os crimes de Bolsonaro em relação à pandemia, ele e seus ministros. Precisamos cobrar do procurador-geral da República para que dê encaminhamento a isso. Assim como precisamos cobrar do presidente da Câmara o encaminhamento dos pedidos de impeachment contra o presidente”. – Alexandre Padilha.

JULGAMENTO INTERNACIONAL

“Aras virou de vez o engavetador-geral da República, mas isso não ficará assim. Torço e tenho esperança de que nós vamos conseguir combater essa situação. E que Bolsonaro, se não aqui no Brasil, ainda será um dia julgado em algum tribunal internacional pelos crimes de genocídio e contra a humanidade”. – Alexandre Padilha.

EMPRESA PÚBLICA DE GESTÃO HOSPITALAR

“Esse tipo de trabalho é fundamental. A empresa consistiu num mecanismo de gestão que criamos para garantir a contratação dos profissionais de Saúde de forma decente, por meio da CLT e com um plano de carreira para eles. Isso foi decisivo para a expansão dos hospitais universitários. Tínhamos, na época, hospitais federais que estavam sendo fechados porque não havia uma forma de contratação dos profissionais. Criamos, inclusive, um padrão de atendimento hospitalar, que representou um ganho muito importante para a Saude do país, mas infelizmente Bolsonaro vem desmontando a empresa”. – Alexandre Padilha.

REGRAS SANITÁRIAS

“Estamos liberando as regras de prevenção à pandemia sem que tenhamos chegado ao momento de outono e inverno da doença no Brasil. E isso pode ser muito perigoso para o país. Esto muito preocupado com isso”. – Alexandre Padilha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.